"A DANÇA DAS ESTAÇÕES NO TEMPO"

 

 

 Queria agarrar aquela lembrança...

Não pode!

Já estava perdida no tempo

Havia passado à tempo.

Queria agarrar aquela flor...

Já não havia!

A estação já partira

E a primavera já não existia.

Lutou então com o coração

Querendo guardar aquele sentimento...

Qual?!

Já fora sentido há tanto tempo!

Virara pó tanto

Levado pelo vento.

Só restaram seus olhos

Os delírios intrépidos

Há margear seus dias

E aquela vontade frustrada

A negar-lhe tudo e tanto.

Virou alucinação!

Cada uma das suas recordações

Mergulhadas nas estações que não cessavam

E o seu rosto que já não era aquele da sua imaginação:

Brilhante, belo e jovem.

O verão junto com o inverno fez o inferno

Plantando a primavera no seu semblante

Num amontoado de linhas disformes

Espinhos da idade indolente

Trazidas pelo outono

No furor de rugas imensas que lhe diziam no espelho:

- ACEITA!!!

Enquanto ele chorava copiosamente... De arrependimento.

 

Marcos Sergio T. Lopes - 04/09/2011

 

 

 

 

 

 

 

 

 

/