SOZINHO NA VIDA!

Wilson de Oliveira Carvalho

 

Longe de mim um adeus, noites

mal dormidas, pesadelos me

atemorizando por uma madrugada inteira

e que nunca termina.

 

Longe de mim os efeitos das lembranças,

cama vazia, o repouso eterno em vida, o

caminhar de um sonambulismo,

os gritos impertinentes enjaulados na garganta.

 

Longe de mim a saudade de coisas extintas,

de rostos desfigurados por coisas do passado,

ter medo de viver sozinho, de não ter

mais as primaveras para serem vividas.

 

Longe de mim os sofrimentos por não

poder dar asas aos meus pensamentos,

de ser somente eu comigo mesmo, não

ter ninguém para abraçar...

 

Mas o porquê desta inquietação que sobrepõe

 este meu estado inseguro como se estivesse

 com a porta aberta, e porque não consigo

perceber o que ocorre em volta?

Qual a razão de estar sozinho como se estivesse na planície?